A Mulher-Maravilha de Gail Simone

Provavelmente quando criamos este blog e quando falamos as palavras “Mulheres” e “quadrinhos” a primeira coisa que veio à mente dos leitores foi a personagem Mulher-Maravilha. Talvez por ser uma das primeiras heroínas e/ou por ser usada em alguns movimentos feministas. Porém não tínhamos pressa ou até mesmo intuito em falar dela.

Bom, hoje falarei dela só que de um jeito diferente. Falarei de Gail Simone a primeira mulher em 66 anos de “Wonder Woman” a escrever por um bom tempo a sua história.

Não é só por isso que Gail é tema deste post e sim por sua história além dessa. A ex-cabelereira preferiu os quadrinhos à TV quando criança e adorava as histórias da Mulher-maravilha. Em uma entrevista ao NY Times ela disse que não sabia desenhar e nem costurar e então decidiu escrever. Foi escrevendo que Gail Simone criou o blog “Women in Refrigerators” (tradução literal Mulheres no Frigorífico), onde fala sobre personagens femininos dos quadrinhos que passam por violência extrema como espancamento, estupro ou morte. O blog virou um sucesso e fez com que Gail conseguisse uma coluna no site CBR. Mesmo assim não deixou a profissão de cabeleireira, pois segundo ela ainda precisava de dinheiro para sobreviver.

Em seguida Gail lança seu primeiro livro pela Oni Press o “Killer Princess”. Depois de ter seu trabalho como escritora reconhecido, Gail Simone deixa a profissão de calereira e percorre por várias revistas entre elas, Simpsons Comics (quadrinho baseado nos Simpsons), Deadpool da Marvel e Birds of Prey da DC, talvez a principal ligação de Gail com as histórias da super-heroína.

Gail Simone passa a escrever as histórias da Mulher-Maravilha em janeiro de 2008 e em junho deste ano abandonou a revista para dar andamento a “Secret Six”, uma revista que teve seu lançamento na era prata  dos quadrinhos (1956-1970) e ao segundo volume de Birds of Prey, grande sucesso que narra as aventuras de Oráculo, Canário Negro e outras heroínas em Gotham City.

Algumas pessoas a criticam de deixar nas suas histórias a Mulher-Maravilha mais inocente, outros dizem que ela ficou mais independente. O assunto nos fóruns foi até sobre ela ter deixado a Mulher-maravilha com uma calcinha de avó. Confesso que não li as histórias de Gail (não sou fã das hqs de super-heróis) e não posso afirmar o que ela transmitiu realmente (opiniões, por favor! rs), mas que ela causou um diferente “movimento” na história é perceptível quando se pesquisa sobre a escritora e sobre seus projetos.

Gail teve seu trabalho reconhecido nos últimos anos levando os prêmios de melhor personagem feminina no Glyph Comics Awards (2007); Ganhou o prêmio “Lulu Award Winners” em 2009 e é candidata ao prêmio GLAAD por representações de personagens LGBT nos quadrinhos.

Quem é a Mulher-Maravilha?

Última edição com história de Gail Simone

Criada pelo psicólogo William Moulton Marston e com desenhos de H.G. Peter a sua primeira aparição foi em All Star Comics #8 (dezembro 1941). A Mulher-Maravilha é uma amazona que saiu da Ilha do Paraíso e foi para terra dos homens com a identidade secreta da enfermeira Diana Price. Em 1985, a DC Comics publicou “Crisis on Infinite Earths”, para arrumar mais de 50 anos de continuidade bagunçada. A história épica permitiu a DC renovar vários personagens, inclusive a Mulher-Maravilha. Têm muita coisa pra se falar da super-heroína. Mas ela ainda fica pra outro post ;)

Videocast com a participação de Gail Simone

Gail também apóia o “Wonder Woman Day” – um movimento que arrecada de dinheiro para ajudar mulheres que sofrem violência doméstica.

Seu primeiro site “Woman Refrigerators

Birds Of Prey também virou seriado veja a abertura aqui.

Nesse vídeo Gail fala um pouco sobre a personagem:

12 comentários em “A Mulher-Maravilha de Gail Simone

  1. Eu realmente não gosto do trabalho dela nas HQs da Mulher Maravilha. O Greg Rucka (escritor anterior) havia deixado as histórias dela em um nivel altíssimo, tronando a série a minha preferida por um tempo. Quando a Gail assumiu o título, praticamente jogou fora tudo o que ele havia construído e transformou a Mulher Maravilha numa heroina gostosona generica… uma pena.

  2. Bom, eu coleciono Wonder Woman e tenho uma relação de amor e ódio com as histórias da Gail Simone. Acho sim que nas histórias dela a Mulher Maravilha é muito inocente em alguns aspectos! Ela ignora que os homens tenham fetiche por ela e seus seios, por exemplo (em uma história em particular).

    Mas de maneira geral eu curto as cenas de ação, e desenrolar das histórias. Eu sou uma mulher que escreve ação, então tipo, ver exemplos de ação de uma outra autora é muito legal.

    Eu fiz até um post sobre a Mulher Maravilha (http://she.nerdssomosnozes.com/2010/08/mulher-maravilha-mulher.html), uma personagem que eu admiro de verdade e sonho em um dia escrever pra ela (não custa nada sonhar, né :P)!!!

    • Ei Ana! Que bom ver seu comentário aqui! Pois é…na pesquisa que fiz eu vi críticas sobre essa história do seios. É porque na verdade as hq’s de super-heróis foram criadas para o público masculino né? Imagino que se ela ignorou isso os homens ficaram p* da vida! rsrs. Enfim! Vou ler teu post sobre ela! Vai escrever sim! Qnd isso acontecer quero entrevista exclusiva! hahaha Obrigada por comentar! ;)

      • Opa, pode deixar que eu dou entrevista exclusiva sim!! :P huauhahuahuhauhuahuahua…
        Sim, as HQ’s são basicamente pro público masculino, mas não acho que a Gail adicionou feminismo nessa caldeirão.
        Acho até que era isso que todo mundo esperava, mas não foi o que aconteceu, infelizmente….

  3. Mariamma, também não sou fã de quadrinhos de super-heróis e super-heroínas, mas é impossível não ficar sabendo de algo relacionado à Mulher Maravilha… lembro quando anunciaram a Gail Simone escrevendo as histórias, foi revolucionário!

    Um artigo bem legal que vi sobre a origem da Mulher Maravilha é este aqui, que relaciona a personagem com sadomasoquismo.

  4. Não conhecia esse outro lado da escritora / roteirista. :} Achei o post bem interessante… acompanhei algumas históricas escritas por ela e, realmente, dá pra afirmar que o nível de narrativa caiu. Mas talvez eu esteja sendo exigente demais… creio que o grande público não o seja e ache tudo muito bom! :)

    Baita post! :D

  5. Opa.

    Realmente, as histórias da Gail Simone na Mulher Maravilha são para serem ignoradas. Aliás, dá pra fazer isso tranquilamente com tudo que ela já escreveu até hoje. Como escritora de quadrinhos ela deve ser uma ótima cabeleireira…ok, essa frase soa machista msm, mas fazer o que se a mulher escreve mal? Antes e depois da Mulher Maraviha ela se dedicou a Birds of Prey, que não passa de uma baboseira fetichista, nem parece escrito por uma mulher.

    Confiram meu top de capas maliciosas da Mulher Maravilha:

    http://areaumseteum.blogspot.com/2010/10/caguei-o-arquivo-dos-doidostop-85-capas.html

    Abraço!

  6. Praticamente entrei só para corroborar o que o André “Marshall” escreveu acima. A fase Gail Simone à frente da Mulher Maravilha é de doer. Ela não trouxe inocência à trama, trouxe tolice – a princesa amazona dividindo o apartamento com um grupo de gorilas albinos, levando o namorado para ser aprovado pela mãe, voando por aí numa concha gigante… Gail Simone desperdiçou um momento histórico fazendo arcos bobos e preguiçosos, sem tônus, sem verdade, como um homem tentando escrever HQ para meninas adolescentes. São histórias para esquecer.

    O mesmo acontecendo quando ela esteve à frente das Aves de Rapina (Birds of Prey) em que suas histórias se limitavam à mulheres voluptuosas dando chutes de perna aberta, vestindo pouca roupa e se portando como meras (e rasas) femme fatales. No resumo, Gail Simone escrevia personagens femininas dignas do cinema pornô masculino: fúteis, rasas, e cuja maior qualidade era serem gostosas profissionais…

  7. Gail Simone escrevendo qualquer coisa é uma desgraça. Meu amigo Lucas Ed (criador do Poderoso Porco e um grande artista independente) falou tudo. A fase da roteirista em Mulher-Maravilha é ruim demais. Sua entrada nos quadrinhos mais expressivos em Aves de Rapina tem um texto chato, cheio de situação rudes e por incrível que parece: machistas! Sabe uma roteirista que gosto muito e essa sim, fez uns trabalhos bacanas? Louise Simonson, que passou um tempo em X-Factor e uma boa cara em Superman. Ela fez umas coisas bacanas por lá, dando ao Super seu lado mais humano como nenhum roteirista da época conseguia. Se desse pra falar dela, seria bacana.
    Abração e sucessos ao site.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *