Arisque-se. Rabisque-se.

mulheres-quadrinistas

Essa que vos fala é do tipo insegura. Típica libriana indecisa, para os que acreditam em horóscopo.

Mas não vim falar de mim. Vim falar de nós. Nós que queremos ser alguma coisa e as vezes desistimos no meio do caminho por insegurança.

Muitas das vezes ouvi artistas falando, principalmente quadrinistas, frases do tipo “Arrisque-se” “mostre seu desenho” “mostrando seu trabalho você poderá ter um retorno das pessoas e assim, ir melhorando seu traço”.

Então, pra fechar essa Semana Especial da Mulher Quadrinista, eu digo para mim e para você: Arrisque-se. Não tenha vergonha de seu desenho. E rabisque-se, mostre através do traço o que sente e o que pensa. Boas histórias são inspiradas em nosso cotidiano, no que vivenciamos, elas estão no detalhes.

Um bom exemplo é o trabalho de Manu Cunhas “Outras Meninas” e da Carol Rossetti.

Por sinal, na internet podemos conhecer muita gente bacana disposta a ajudar, e com trabalhos inspiradores. Muitas começam assim. As ilustrações de hoje foram feitas por Bianca Pinheiro e Lila Cruz. Pedi que pudessem dar dicas para nós, iniciantes.

“A melhor maneira de se tornar uma quadrinista melhor é, obviamente, fazer quadrinhos, estudar quadrinhos e ler quadrinhos. Quando você se arrisca e mostra o que você está fazendo para o mundo, você ainda recebe, de graça, a opinião do público e pode ter uma noção dos seus acertos e erros. Acho legal também mostrar para alguém que você já considera excelente quadrinista. Essa pessoa pode ajudar ainda mais no direcionamento técnico e artístico da coisa. Quadrinhos de gaveta não recebem nenhuma crítica ruim, é verdade, mas também não se arriscam e não “existem” para o mundo. Uma obra em quadrinhos só se completa com a participação do leitor, então eu insisto que deixem a insegurança na gaveta e tragam seus quadrinhos para o mundo” Dica da autora de Bear e Dora, Bianca Pinheiro.

retrato

Mesmo com o bom humor do desenho acima, Lila também tem uma dica valiosa.

“Uma dica? Além de estudar muito e se inspirar nos quadrinhos e livros de ilustradores que você admira, é muito importante também saber dosar o quanto de opinião dos outros a gente tem que ouvir. Às vezes, a gente começando para pra ouvir dicas de todo mundo ao mesmo tempo. E aí começa a travar, porque quer desenhar bem logo, agradar a todo mundo que te deu dica, e depois entra num ciclo de “pede opinião – sente que não vai conseguir produzir à altura do que imagina – para de produzir”. O primeiro caminho pra começar é realmente começar, independente do que os outros vão dizer. E só depois de começar a produzir é que as críticas são essenciais. Mas sempre levando em conta que o mais importante é continuar fazendo”.

Quer mais ideias para um começo?

Nesse vídeo Mariana Cagnin responde “Que curso fazer para se tornar um ilustrador ou quadrinista?”

Nesse outro, Brendda Lima nos mostra como fazer um Zine (outro bom início) :)

 

No site da Ana Luiza Koehler você pode encontrar algumas dicas de como promover o seu projeto autoral!

 

No site da Juliana Rabelo você encontra vários passo-a-passos e dicas de materiais!

E aí… tá esperando o quê pra começar? :)

Se ainda bateu aquele medinho, dá uma olhada nessa postagem antiga em que artistas femininas dão conselhos para as artistas que estão começando.

<3

2 comentários em “Arisque-se. Rabisque-se.

  1. Como é que eu não conheci esse blog antes? Adorei todas as postagens que li até agora. Só não curti muito a frase no topo “HQ não é só pro seu namorado” afinal nem toda mina tem namorado e algumas só tem namorada. O resto… estão de parabéns!!!!!

  2. ótimo post! super inspirador e incentivador! <3 adorei as dicas, e principalmente o tutorial da Brendda! D: do tipo, "como nunca pensei nisso antes"! haha. eu fazia zines, mas era com grampeadores mesmo. :P

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *