Jordana Andrade, é leitora de quadrinhos desde o primeiro ano de vida. Vive há 23 anos aguentando as agruras diárias de ser mulher e artista em meio à humanidade, onde tenta através de suas ilustrações e tirinhas dar vazão a utopia que carrega dentro do peito: a de criar um mundo onde depilar ou não as pernas, por exemplo, não seja uma questão. Sem sucesso, ela passa suas horas se confortando com a ideia de que ao menos o planeta irá matar todos nós muito em breve.