Hiroshima – A Cidade da Calmaria

Sabemos por meio de livros o que aconteceu no final da Segunda Guerra Mundial em Hiroshima e Nagasaki, também como a bomba atômica reage quando é lançada, quem  a inventou, mas somos limitados quando o assunto é sobre como a população continuou sua rotina. Até mesmo no Japão, fora as duas cidades atingidas, não há um conhecimento maior sobre o que as bombas causaram para as pessoas da localidade. Foi dessa maneira que o editor da mangaká Fumiyo Kouno notou que poderia tratar desse assunto e mostrar a todos uma nova perspectiva sobre o recomeço difícil da população após a Segunda Guerra Mundial.

Fumiyo  nasceu em Hiroshima e comenta que o mangá foi algo difícil de começar, porque não havia pessoas com quem pudesse conversar sobre o assunto e notou que apesar de ser da segunda geração após a bomba, evitava conhecer mais  e sentia que essa história era um “problema das outras famílias”. A busca de materiais que mostrassem o pós-guerra só a deixavam com mal-estar e no final de tantos estudos e entrevistas, Kouno criou uma obra incrível, além de fazer parte de movimentos a favor da paz.

A graphic novel Hiroshima – A cidade da Calmaria traz em sua narrativa duas jovens com histórias diferentes para mostrar os acontecimentos, incertezas pessoais sobre o futuro. Minami e Nanami são duas garotas que vivem em tempos diferentes, mas que herdam os efeitos ocorridos em 1945 – perda de parentes, doenças sem curas, medos. As tramas são simples, mas isso não quer dizer sem qualidade, feitas com traços finos, delicados e com uma leveza nas formas desenhadas, o mangá conquista.

Kouno desenvolveu histórias comoventes que é possível sentir um pouco da dor de quem passou por aquilo e nos transborda de indignação de quem perde, vencendo ou não a guerra, é sempre a população.

O graphic novel ganhou uma grande repercussão quanto ao tema e ganhou os prêmios, em 2004, o Japan Media Arts Festival Grand Prize (Manga Division) e Tezuka Osamu Cultural Prize, em 2005. Além disso, teve versão em live action e para rádio – rendendo mais premiações à história.

Live Action produzido em 2007

Mas será que aquele que atirou a bomba atômica está olhando para mim e comemorando?

Recomendo demais.

Ficha técnica
Publicação Original: 2004
Publicação no Brasil: 2010
Volume único

8 comentários em “Hiroshima – A Cidade da Calmaria

  1. Oi amigas vamos nos unir?
    Venho pedir um auxilio.
    Precisamos dê uma força de voces ao pessoal do SOS SAILOR MOON (www.sossailormoon.com.br), para que, mesmo vindo a série pelo meio (que infelizmente a Angelotti, ao invés de trazer a serie desde o começo adquiriu a fase S e pior quer lascar a odiada dublagem da BKS nos DVD´s), por causa da burrada do Angelotti, está rolando no site uma enquête de como queremos estes DVDS (áudio original e legendas e áudio REDUBLADO).
    Coloca uma nota ai no blog, divulguem no twitter, e ajude-nos a conseguir votos na opção áudio original e legendas e áudio REDUBLADO, para que o Angelotti possa por a mao na consciência e no bolso e mandar rebublar estes 38 episodios decorrentes da fase S(para que nao ouçamos mais a Daniela Piquet repetir mais de 3 x que é UMA SAILOR MOON), Peço essa ajuda, pois em uma semana de enquete obteve-se poucos votos, não sei se pelo cansaço dos fãs quanto ao assunto, ou sei lá, e sabemos da popularidade de seu blog quem sabe esses números aumentem. PEÇA AJUDA POR FAVOR!!!
    Ajude-nos a mudar essa situação já complicada de Sailor Moon no Brasil, e um lançamento que tinha tudo para dar certo, o Angelotti está fazendo o favor de começar a afundar o barco das Sailor por aqui. Afinal ele encomendou uma pesquisa e simplesmente ignorou a vontade dos fãs, e iniciou essa aquisição com a TOTAL FALTA DE RESPEITO aos fãs e tudo mais, o que está repercutindo feio para ele e para a empresa no meio dos fãs por aqui e até no exterior, já que todos os sites sobre as sailors noticiaram essa total falta de consideração do Licenciador+TOEI com os fãs.
    Ajude-nos a mostrar que realmente JUNTOS SOMOS MAIS FORTES, e quem sabe conseguiremos essa redublagem.
    (Ah e se voces quiserem, não aprove esse coments tá bom, fica em Off só por força de contato com você desculpa usar este espaço para pedir esse auxilio!!!!)

    • Ei Laurinha! Vamos ajudar como pudermos. Sabemos o quanto é importante para os fãs. Assim que passar o reveillon mandamos um email para combinarmos o que fazer! :) Abraços!

  2. Deu muita vontade de ler pelo tema. Tratando-se de um relato de quem vivenciou o momento histórico, ou que pelo menos conhece de perto quem vivenciou, parece ser muito mais impactante do que se pode conhecer por terceiros. Imagino que tenha um clima parecido com o Maus. Quero ler!

    um abraço, Ladies!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *