“Je suis l’inventeur de la pin-up”

“Eu sou o inventor da pin-up.”

~ Domergue

Jean-Gabriel Domergue (1889—1962) foi um pintor francês. Filho de Gabriel Domergue (romancista, crítico de arte e editor dos periódicos “La Liberté” e “L’écho de Paris”), Jean-Gabriel Domergue nasceu em 4 de março de 1889, em Bordeaux, e estudou Belas Artes na École Nationale Supérieure des Beaux-Arts, em Paris.

Durante um período de sua juventude, Domergue trabalhou no mesmo prédio em que Edgar Degas pintou suas bailarinas, no número 37 da rua Victor Massé, em Montmartre. Domergue pintava num estúdio  um andar acima ao de Degas. Eles se conheceram nas escadas do prédio e, apesar da fria recepção inicial, Degas simpatizou-se com ele e decidiu testá-lo e ajudá-lo a educar seu olhar, fazendo Domergue pintar mais de vinte vezes sobre uma mesma porta, ao longo de um ano.

Ao longo da década de 1920, Domergue se concentrou em retratar a mulher parisiense e a sofisticada aristocracia francesa e estrangeira que frequentava as óperas, bares, restaurantes e corridas de cavalos da época.

Ele também desenhou roupas para o costureiro Paul Poiret, além de paisagens, sketches eróticos e cenários decorativos.

Domergue foi curador do Musée Jacquemart André de 1955 a 1962, onde organizou exposições de pinturas de Van Gogh, Toulouse-Lautrec, Goya e outros.

Ruivas, loiras ou morenas, nuas ou não, enfeitadas com chapéus feitos pelo próprio pintor ou laços em volta do pescoço: a figura feminina era o tema preferido de Domergue para suas pinturas. O pintor acreditava que as mulheres consideravam seus retratos mais fiéis à vida real quando eles passavam a imagem do que elas gostariam de ser.

Suas mulheres são magras e elegantes, tem o pescoço comprido e as pernas delgadas, muito diferentes das charmosas pin-ups curvilíneas (retratadas por Gil Elvgren em poses sensuais e divertidas situações embaraçosas), às quais estamos acostumados. Jean-Gabriel Domergue declara que pintou sua primeira pin-up em 1912 e defende seu posto como inventor dessa “nova mulher”.

Diversas personalidades da época, como Gina Lolobrigida e Brigitte Bardot, serviram de modelo para o artista.

A Brigitte de Domergue

Em 1939, Domergue fez o cartaz do primeiro Festival de Cannes (quando era chamado Festival International du film), programado para acontecer em setembro.

Cartaz do Festival, de 1939

O presidente dessa primeira edição do festival seria Louis Lumière. Contudo, a declaração de guerra da França e do Reino Unido à Alemanha, em 3 de setembro daquele ano, impediu que a festa cinematográfica fosse realizada. A primeira edição do festival só veio a acontecer, realmente, em 1946, e o cartaz de Dormergue não foi aproveitado.

Para conhecer melhor a vida e a obra de Jean-Gabriel Domergue, visite: http://www.jean-gabriel-domergue-archives.com (em francês e inglês)

4 comentários em ““Je suis l’inventeur de la pin-up”

  1. ” O pintor acreditava que as mulheres consideravam seus retratos mais fiéis à vida real quando eles passavam a imagem do que elas gostariam de ser.”

    Inexiste prova maior de que as mulheres idealizam demais as coisas. Confundem realidade com expectativa.

    Fora isso, belo trabalho dele, mas os pescoços me incomodam um pouco…as cores pelo menos são lindas.

    • Obrigada pelo comentário, Jão!
      Eu interpretei as palavras dele mais como uma questão de vaidade das moças, mesmo.
      Você tem razão no que disse sobre as cores, mas eu acho esses pescoços todos bem lindos também.

  2. Não o conhecia, mas gostei de seus trabalhos! Realmente suas mulheres eram elegantes.

    Dei uma proucurada, mas infelizmente parece não haver nenhuma de suas pinturas digitalizada numa resolução decente para analisá-las melhor.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *