Mais que mil palavras

Quando eu penso na estrutura de um quadrinho, sempre vem as coisas mais básicas: balão de falas, cenários e personagens. Meu cérebro é estimulado por cada detalhe da composição. Eu leio as frases que complementam os contextos visuais e vice versa. E assim, sou conduzida por uma narrativa até o seu desfexo. Isso tende ser uma tarefa automática, seguir os quadros e a lógica desenvolvida pelo quadrinista (quando bem feito).

Mas às vezes, a estrutura não possui frases. Não possui caixa de textos. Só imagens e quadros sequenciais. Minha reação? Eu fico tão silenciosa quanto o quadrinho, meu cérebro sai da função de ler e passa a ver mais, perceber mais os detalhes, porque é necessário para não perder o entendimento da sequência. As feições, a expressão corporal do personagem e o cenário passaram a ter uma função muito mais importante para sustentar sozinhos a narrativa.

Capa de Captain

Em Captain, quadrinho de Serena Malyon, o silêncio se encaixa perfeitamente no contexto. A mudez tornou mais pesado o percurso da personagem. Ela passa por quadros de sua jornada com uma expressão triste e profunda. No final, me surpreendo com a maneira como essa sensação de tristeza me toca.

A história pequena, no formato de graphic novel, foi o projeto final de Serena na faculdade.

 Assim como CaptainThe Lone Wolf de Jennifer Parks tem o percurso silencioso de uma personagem, só que esta usa máscara e capa. Gosto de como os quadros se interligam nas passagens da história, do close e distanciamento das cenas. São gestos básicos que não preciso de texto para entender a busca da menina naquele lugar. O mundo que ela circula é curioso e sou levada pela mesmas indagações dela sobre tudo aquele universo. A jornada está no terceiro capítulo no Study Group.

Duas páginas de The Lone Wolf

Os quadros pequenos de Nigth of the Bear de Lili Gaertner, trazem a mesma construção de narrativa de The Lone Wolf e Captain. O mini comic traz um urso de hábitos humanos que faz um trajeto ao luar. Sem falas, a história repassa a calma e a espera por um final inusitado.

  

Além

Mas além dos caminhos silenciosos, há quadrinhos que usam onomatopéias e/ou uma palavra apenas para quebrar ou dar sentido às cenas.  Ainda com os quadrinhos de Lili Gaertner, tem a mini história de Nancy que mostra a vida de um poodle femea. Essas inserções de palavras soltas são importantes, porque boa parte delas dão vida a uma sequência engraçada.

Isso acontece em Mix Tape, de Lu Cafaggi. No livreto número um, dos quatro, as personagens têm as rotinas expostas. Os movimentos, o de acordar, o de mexer a tigela, por exemplo, geram os sons transformados em palavras animadas que são escritas conforme o ritmo da ação. A tipografia handwriting vira um desenho complementar a situação.

Capa (esq.) e uma das páginas do primeiro volume (dir.).

 

Links e fontes das imagens:

Lu Cafaggi: http://lospantozelos.blogspot.com.br/

Lili Gaertner: http://lilligaertner.de/

Jennifer Parkshttp://jenniferparks.blogspot.com.br/

Serena Malyon: http://smalyon.wordpress.com/

 

 

7 comentários em “Mais que mil palavras

  1. Adoro o Lady’s Comics, principalmente por ter conteúdo de quadrinho fora do eixo DC-Marvel! parabéns Ladys! Tive a sorte de achar o Mix Tape por precinho bem bacaninha ^^. Super recomendo, além de ser um quadrinho lindíssimo! Super curti as outras dicas, com certeza vou procurar! =D
    Bjin

    • Hey Bruna!
      É bom sabermos que gostas do Lady’s, é um baita de um incentivo pra gente! Procuramos o máximo trazer quadrinistas que raramente veríamos por aí.
      Dá uma olhada nas outras três artistas. Espero que gostes como gostou do trabalho da Lu. Beijo grande!

  2. Cara adoro esse blog, as dicas de leitura são super legais. Eu tenho o Mix Tape e achei esses outros quadrinhos sensacionais, adoro essa idéia de mostrar os trabalhos de quadrinistas fora do convencional.

    Parabéns!

  3. Olá garotas, desculpem por ocupar os comentários nesse post, mas é que está realmente ruim de acessar esse site.
    Não consigo abrir todas as páginas que desejo e principalmente a home do site porque dá alerta de vírus e os meus navegadores não abrem.
    Existe alguma forma de resolverem este problema? Adoraria ler o conteúdo frequentemente, mas isto me impede.
    Obrigada.

  4. Pingback: Sons e movimentos de Lili Carré | Lady's Comics

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *