Ms. Marvel e outras manas

Permissão para ser super pop? E quando falo super, não é à toa: vou falar de quadrinhos de super, mainstream, mais especificamente da Marvel. Mas por que Marvel? Bom, primeiro porque apesar de tentar ler de tudo do mundo dos quadrinhos, sou marvetinha (dish-i-culpa). E também, porque no caso da Marvel, por conta dos X-Men, a tentativa de discutir a diversidade já estava em pauta desde os anos 1980. Ah, mas X-Men não surgiram nos anos 60, Gê? Sim, os X-Men até poderiam gerar uma reflexão sobre racismo quando surgiram, mas não da maneira certeira e intencional como aconteceu nos 80, quando tivemos obras lindas como Deus Ama, o Homem Mata (God Loves, Man Kills).

O que falar dessa imagem perfeita, feita por Sara Pichelli, onde a única parte escondida da moça muçulmana são os olhos? <3

O que falar dessa imagem perfeita, feita por Sara Pichelli, onde a única parte escondida da moça muçulmana são os olhos? <3

Ou seja, apesar do que algumas vozes mais retrógradas bradam sobre ser modinha, não é de hoje que editoras mainstreams tentam, de alguma maneira, se atualizar e acompanhar a demanda de leitoras e leitores por maior diversidade. E mesmo que fosse modinha, que modinha boa, não? O que é de hoje, é que por causa da internet, finalmente essa voz começa a ter um timbre mundial e conseqüentemente um alcance maior! Editoras percebem, agora, que essa demanda tem sintonia além de suas fronteiras. E o resultado é que algumas vezes, a inserção de personagens que representem a diversidade que existe no mundo acontece de maneira meio tosca… mas outras, (e já está começando a ser na maioria das vezes – hooooray!) são lindamente bem sucedidas.

O que me permite fazer um recortinho aqui e focar na inserção de mulheres, super-heroínas ou não, no Universo Marvel. Recentemente vimos, só para citar algumas personagens: a Thor, a Garota Esquilo, Nancy Whitehead (a roomie da Garota Esquilo, que é sensacional, desafio não adorá-la: ela tricota e faz uma fanfic chamada Cat Thor <3), Spider-Gwen, Capitã Marvel. Sejam elas herdeiras da fama de um personagem anterior ou não, todas passaram a ser escritas de maneira mais orgânica, mais tridimensional: elas são “de verdade”. Elas não são cenários ou gatas de collant, e nem estão ali para servir de escada para um herói masculino como par romântico ou como donzela a ser resgatada.

Garota Esquilo, Thor e Spider Gwen.

Garota Esquilo, Thor e Spider Gwen.

Os roteiros feitos para estas personagens que citei, giram em torno delas. E uma coisa linda? Elas não caem nos esterótipos “bravinha emburrada” ou “gostosinha desajeitada” ou ainda, a superpoderosa que perde a lucidez por não conseguir lidar com poder (te amo, Jean Grey, mas ficar doidinha em vez de se empoderar, beibe?). Assim como eu e você (e você aí, moço bacana que decidiu ler a coluna), a heroína fodona pode ter momentos de insegurança assim como a que é delicadinha pode resolver uma parada de um jeito tão tosco quanto o Hulk. E elas são amigas uma das outras! E se admiram mutuamente.

Mas bora diminuir ainda mais esse recortinho e falar de Ms.Marvel – Nada Normal, encadernado lançado aqui no Brasil pela Panini, que reúne as edições 1 a 5 do título (e ainda uma história retirada do All-New Marvel Now! Point One) e tem roteiros da G.Willow Wilson, a arte (ma-ra-vi-lho-sa) de Adrian Alphona  e cores do Ian Herring ( vou deixar os links no final para você conhecer – ou rever – o trabalho dos três).

Olhe só o estudo de personagens feito pelo Alphona! @_@

Olhe só o estudo de personagens feito pelo Alphona! @_@

Resuminho: Kamala Khan é uma adolescente de New Jersey, fã de super-heróis, que em uma determinada noite é afetada por um fenômeno, que não posso comentar qual é, pois seria spoiler, e descobre que recebeu superpoderes. Como você pode imaginar, ela precisa aprender a equilibrar escola, amigos e família enquanto assume o manto e o legado de uma super-heroína  já consagrada!

Ué! Mas já não vimos isso antes? Assim como Peter Parker, ela é uma adolescente que passa a ter poderes e precisa lidar com isso do jeito desajeitado que apenas adolescentes conseguem ter. E sobre assumir o legado de alguém consagrado, quantos outros já não fizeram? O que faz dessa HQ tão especial?

O fato que além do fardo de se tornar uma super-heroína, ela também carrega o fardo de ter raízes culturais fortes ao mesmo tempo que é uma imigrante inserida numa outra cultura. Acredito que só vi esse tipo de conflito interior, de mistura cultural, tão  bem desenvolvido numa HQ em Locas de Jaime Hernandez. (se você conhece alguma outra, por favor, me indique, adoro quando trabalham bem esse tipo de tema).

<3 Morra de fofice com essa foto de  G. Willow Wilson e uma pequena cosplayer!

<3 Morra de fofice com essa foto de G. Willow Wilson e uma pequena cosplayer!

Para nós, brasileiras e brasileiros, a HQ tem mais uma característica bacana: por não termos tanto contato com imigrantes muçulmanos, para que possamos curtir a história de maneira mais completa, precisamos nos colocar tanto no lugar da Kamala quanto no de um norte-americano que conviva com ela. E ao fazer isso, automaticamente, nossa sensibilidade aumenta e terminamos refletindo como lidamos com o que pode ser considerado diferente para nós em nosso próprio quintal. Bacana demais isso!

Falei que Kamala carrega dois fardos? Estava pegando leve. Ela tem um terceiro! O de ser mulher. Porque inúmeras vezes, você vai perceber que ela recebe tratamento diferente ao dado para seu irmão pelos pais e pelos líderes da religião que ela segue.

E além de ter todo esse tipo de reflexão que veríamos apenas em quadrinhos autorais ou independentes, Ms. Marvel – Nada Normal consegue ser divertida, apresentar e brincar com os clichês que queremos ver em uma história de super-heróis, e ainda, trazer soluções bem inusitadas.

E vou parando por aqui, porque se continuar vou terminar soltando algum spoiler e a última coisa que quero é estragar a leitura dessa HQ pra você.

Ah, prometi links! Aqui estão:

G.Willow Wilson
Tumblr: http://gwillowwilson.com/
Facebook: www.facebook.com/gwillowwilson
Twitter: @GWillowWilson

Adrian Alphona
Blog: http://sweetbizarresketchbook.blogspot.com.br/
Twitter: @adrianalphona

Ian Herring
Tumblr: http://iherring.tumblr.com/ | http://156thmongoose.com/
Twitter: @tweetianherring

E aquela foto fofíssima da autora com a pequena cosplayer foi encontrada aqui!
tem mais fofices, recomendo fuçar!

2 comentários em “Ms. Marvel e outras manas

  1. Excelente e maravilhoso <3 Amei essa HQ e já quero o volume 2 :) Quanto às heroínas que você citou, todas lindas, e tem uma outra que também tá entrando nessa leva: Silk, que também é super relacionável, problemas de vida real, etc. Muito bom mesmo!

  2. Pingback: Graça Girls #02 – Miss Marvel: Nada Normal | Podflix

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *