Polly e o estilo Girl strips

Cliff Sterrett não foi apenas quadrinista. Sua carreia começou no jornal New York Evening Telegram em 1911. Além de ser um dos precursores da tira nos jornais Sterrett foi provavelmente quem criou nos quadrinhos o estilo Girl Strips.

O estilo apareceu com uma temática diferente das tradicionais histórias em quadrinhos com personagens mulheres. A tira “Positive Polly” de 4 dezembro de 1912 foi o ponto de partida . Nela nada de afazeres doméstico ou romantismo. Polly era liberal e contestadora. Uma garota jovem, bonita e simpatizante do jazz.

Só que Sterrett provavelmente não quis levantar a bandeira feminista (será?) e logo depois o nome passou para “Polly and her Pals”. A narrativa deixa de ser focada na garota e as histórias se tornaram mais “familiares” onde o avô, a avó e o gato de Polly tornam-se também centro das atenções. Apesar disso Polly ainda era uma obra criativa e inovadora. Sterrett soube retratar uma família  surrealistas e um humor ferino.

Cliff Sterrett escreveu e desenhou Polly no jornal durante as edições diárias e no domingo. Inspirado no cubismo, em 1920 seus trabalhos possuem um enredo inovador e mais estilístico. Em 1930, ele teve problemas com artrite, e foi forçado a passar o trabalho nos jornais para os assistentes Paul Fung (Blondie) e Vernon Greene (O Sombra).

Tira de 13 de setembro de 1920

Na década de 1940 as publicações diárias de Polly são interrompidas. O de domingo prosseguiu, mas após a Segunda Guerra Mundial, Sterrett não tinha espaço para mostrar o seu trabalho. Sua última publicação foi em 15 de junho de 1958. O quadrinista então se aposentou. Ele morreu seis anos depois.

Outra tira de sucesso publicada junto com Polly and her Pals foi Belles and wedding bels

A HQ Polly and her Pals nunca foi muito popular na época, apesar de seu conteúdo inspirador e criativo. Tempo depois da morte de Cliff Sterrett reimpressões de seu trabalho foram feitas, uma inclusive anunciada para agosto deste ano pela IDW.

A Girl Strips influenciou outros autores e quadrinhos como: Boots and Her Buddies de Abe Martin, Winnie Winkle de Martin Michael Branner, Brenda Star, de Dale Messick e Mollie Slott e muitas outras.

Esse assunto dá o que falar, outros posts sobre ele provavelmente virão! =)

Para saber mais sobre o estilo recomendo a leitura do texto de Waldomiro Vergueiro “AS HISTÓRIAS EM QUADRINHOS E SEUS GÊNEROS V: os quadrinhos protagonizados por mulheres” – novembro de 2003

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *