Sirlene Barbosa, 35, é mulher, negra, feminista, nascida e crescida na periferia paulistana, divide o lar com um companheiro (por sinal, o quadrinista da HQ “Carolina”, em que ela trabalhou no argumento e roteiro) e com duas gatas e um gatinho, a propósito é, também, Mestra em Linguística Aplicada e Estudos da Linguagem (PUC-SP) e trabalha como professora de língua portuguesa (SME-PMSP). Pesquisa literaturas negra e periférica  e relações étnico-raciais (Lei 10.639/2003 – 11.645/2008) na educação do ensino fundamental da rede municipal paulista de ensino, com recorte para a questão dos estudantes negrxs. Em suma, trabalha com foco na descolonização do currículo educacional.