What about Nana?

Tenho um mangá preferido. Nosso primeiro contato foi quando eu tinha uns 19 anos, idade próxima das personagens principais. Época em que comecei a achar os mangás cansativos e repetidos. A grande maioria, sobre colegiais e façanhas impossíveis, já não me interessavam. Hora certa de encontrar essa história, sobre uma amizade entre duas meninas de mesmo nome. É de Nana que estou falando.

Um encontro no trem, rumo à capital, em um momento de muitas mudanças. É daí que parte Nana, a caminho de uma busca por sonhos. São duas jovens que não têm muito em comum, além do nome e da afeição que nasce uma pela outra. Ao sentarem juntas, não sabiam que seus destinos se esbarrariam diversas outras vezes.

Nana Komatsu é uma menina mimada, exagerada, que veio do interior. Vivia cercada por uma família escandalosa e feliz. Por ser carente, se apaixona com frequência. Apesar de engraçada e sonhadora, não possui objetivos glamorosos. Hachi (seu apelido no mangá) vai a Tóquio atrás do namorado. No meio do caminho, conhece Nana Oosaki.

Diferente de Komatsu, Oosaki é segura de si, independente e sabe exatamente o que quer. Foi criada pela avó em uma cidade fria, onde nevava durante quase o ano todo. Teve que assumir responsabilidades cedo e, mesmo conhecendo amigos que a amam, sempre carregou o fardo de ser solitária. Nana é esforçada. Busca ser uma cantora de sucesso.

Dramático? É. Ai Yazawa, autora do mangá, tem essa característica, mas não a usa de forma errada. O drama acontece no momento certo, sem deixar o humor para trás. Outra característica é sua paixão por moda. Algo presente, mesmo que de forma sutil, por todo o mangá. Mas tem um fator ainda mais visível: a música. É por meio dela que a autora conduz a história e revela as personalidades dos personagens.

Esse é um quadrinho onde não há super poderes. Todos são como eu e como você, errando e acertando. A cada leitura, a percepção do amadurecimento e transformação de vida. Afinal, trata-se apenas de vivências. Nada além do possível.

Quando você se assustar, terá se envolvido simplesmente com todos os personagens de Ai Yazawa. Terá milhões de opiniões. Terá, inclusive, feito o famoso questionamento: e se fosse comigo? As pessoas podem e vão mudar. Algumas vão se descobrir mais fortes do que julgavam ser. Outras não vão suportar os problemas. As Nanas passam por muitas mudanças, mas, por sorte, encontram apoio uma na outra.

Esse mangá foi um sucesso no Japão. No Brasil, lançado pela JBC, também teve um bom espaço. O probleminha é que a autora ficou doente e parou de publicar. Aliás, sobre a doença de Ai Yazawa, é um mistério. Alguns falam que ela sofre de depressão. Outros falam que ela simplesmente cansou. Tem até uma parte que fala que ela morreu e não querem divulgar.

Ainda escreverei sobre o trabalho dela aqui. Sobre Nana, há uma coisa que preciso dizer. A maior parte dos fãs gostam mais da Nana Oosaki. Não é o meu caso. Assumo que minha preferida é a Hachi. ;)

Aaaah! Clique aqui para saber mais sobre Nana no site da JBC.

15 comentários em “What about Nana?

  1. Apenas que: Hachi!
    Sempre me encantei por ela, mas fiquei muitas vezes com raiva de suas atitudes e percebi que era porque eu agiria igual o que eu também reprovava.

      • Não dá pra julgá-la, mas dá pra querer bater nela, às vezes, pra ver se ela acorda. rs
        Mas eu me sinto muito impotente, como ela, em vários momentos…

  2. Texto bem escrito! Eu gosto de poucos shoujos mas Nana é mais adulto e menos menininha q os mais famosos do genero.

    Eu comecei a ler e gostei. Dizem q a autora nunca mais vai escrever, tomara q seja mentira. Vou pegar um dia pra ler.

  3. Putz… a Hachi eh muitoooo chata. Tenho todos os volumes de Nana e eh uma pena a autora ter parado por ai. Recomendo tb(de outras autoras que sairam aqui no Brasil) Fruits Basket e Sunadokei. Em Fruits Basket chorei em quase todos os 23 vol :)

    • hahaha. Pois digo que chata é a Nana Oosaki. Fraca e sem rumo! u.u Eu queria muitão que a autora continuasse..

      Também li Fruits Basket e Sunadokei. No meu caso, chorei muito em Sunadokei. Tipo muito mesmo! haha. Qualquer dia falarei desse mangá aqui. É um dos que eu mais gosto. ;)

      • Ah, recomendo tb o manga Solanin de Inio Asano lancado pela L&PM. Acho que vc vai gostar, sao so 2 vols. mas eu gostei muito. e tem tb Aventuras de Menino tb da L&PM. Vc deve achar em qualquer boa livraria na parte dos livros pocket da L&PM ou ate na Leitura da Savassi se vc mora em BH.

  4. A única série que consegui comprar (e ler) completa foi Paradise Kiss e mesmo assim porque eu recebia em casa… Mas Ai Yazawa é uma mangaka especial, o que se observa desde o traço dela até as histórias que aborda. Mas depois que fiquei sabendo de algumas coisas que acontecem em Nana mais pra frente acho que também preferi parar no tempo ;~

    • Paradise Kiss é bem bacana. Eu gosto de histórias mais curtas, de início, meio e fim, sabe? O que me chama a atenção no trabalho da Ai Yazawa é a preocupação em fazer algo mais maduro.

      Agora, pare de se prender a spoiler! haha
      ;)

    • Leia, Bianca! Depois venha me contar o que achou. Tem outro da Ai Yazawa, que foi lançado no Brasil e é uma história já fechada. É o Paradise Kiss. Também vale a pena! Principalmente se você se interessar por moda.

      Valeu! :D
      Besos

Deixe uma resposta para Thaïs Cancelar resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *